quinta-feira, 21 de agosto de 2014

CONVITE DE LANÇAMENTO LIVRO DA LULU

CONVITE DE LANÇAMENTO LIVRO DA LULU

A Fadinha de Toonciteney

Dia: 19 de setembro de 2014 - Horas: 19h30 - Local: Biblioteca Pública Municipal Ataliba Lago em Divinópolis/MG - Autora: Maria Luiza Santos Amaral.


domingo, 10 de agosto de 2014

A ONÇA COR-DE-ROSA

A ONÇA COR-DE-ROSA

Imagem Google

A onça cor-de-rosa, criada em laboratório experimentalmente, está atuando bem no ambiente em que foi colocada.

A ideia foi de Clos, aquele francês que veio assistir a Copa das Copas, mas acabou encantando-se tanto com este país que saiu com o Osvandir por aí, em busca de aventuras.

Como ele é neto do Inspetor Jacques Clouseau, aquele da Pantera Cor-de-Rosa, achou que a onça da mesma cor, talvez resolvesse os problemas dos fazendeiros e os Javaporcos.

Pegaram o sêmen de um macho da pantera norte-americana, muito esperto e cruzaram com nossa onça do Pantanal. O resultado foi muito bom, derivou-se um animal com o peito rosado que estava liquidando os malditos javaporcos da região.

Assim sendo foram produzidos em laboratórios vários filhotes que vão liquidar o assunto.

--E por falar nisso o nosso herói resolveu ir para o Pantanal.
--Ver o jogo?  
--Não, fotografar os jacarés.

Osvandir acompanhou Clos nesta aventura. Acho que foi uma desventura só.

Em cada parada era uma confusão. Chegando ao primeiro bar na beira da estrada ele queria uma coisa e saía outra. Foi muito difícil saber o que ele queria. Acabou comendo um bolinho de mandioca muito apimentado, pensando que seria um produto similar ao de sua terra.

O recurso foi usar o tablet para fazer algumas traduções. O Smartphone também ajudou, mas tinha hora que aprontava uma confusão danada.

Foi fotografando tudo que encontrava pela frente e ainda estava colocando no Facebook. Mandando para seus amigos, lá da França.

Num dos rios em que navegaram havia piranhas, aquele peixe devorador e que nada em grupo.

Quando vão atravessar a boiada num rio cheio desses peixes, levam um boi doente e jogam na água. Enquanto elas devoram o animal, os outros atravessam o rio, é o Boi de piranha.

No Pantanal existem muitos jacarés e pássaros. O jaburu é um deles que reina naquela região.

O barco carregado de mantimentos leva os dois pescadores de araque para o local de acampamento.

De repente esbarra numa pedra, Osvandir e Clos caem na água, do outro lado da margem vários jacarés entram no rio para atacar os dois intrépidos passageiros.

O rapaz que dirigia o barco deu vários tiros nos répteis, informou que alguns atingem mais de 6 metros de comprimento e 300 quilos.

Disse ainda que: “--É um animal carnívoro, se alimenta de quase todos os animais da floresta, desde peixes até aves e mamíferos. Alimentam-se inclusive de piranhas.”


“--Tem um couro muito cobiçado, é uma carne saborosa, apreciada por muitos moradores da região. Por isso estÁ na lista de animais ameaçados de Extinção.” 

Saindo do Pantanal os dois foram para um Hotel, em Belo Horizonte, onde tomaram conhecimento da descoberta de uma diamante cor-de-rosa.

Manoel Amaral
www.afadinha.com.br


terça-feira, 5 de agosto de 2014

O GOLPE DOS CARTÕES DE CRÉDITO



Ligo a TV e o Programa anunciava: Presa Quadrilha que usava cartão de crédito para gerar ponto que poderiam ser convertidos em passagens aéreas, diárias de hotel e outros benefícios.

Ai pensei: - Mas isso não é crime, está no contrato dos cartões de crédito – mas o programa foi desenrolando tudo e chegou onde estava a criminalidade.

Eles rodaram o mundo, uma família composta por quinze pessoas, conheceram a França, Suíça, Estados Unidos e muitos outros países.

Em três anos eles viveram um sonho que todos desejariam viver, Num ano torraram  R$39, milhões de reais.

Quem bolou o golpe foi um jovem de apenas 27 anos, técnico em informática, por sinal uma armação cheia de criatividade.

Teriam descoberto como multiplicar suas milhas aéreas.  O golpe era muito melhor do que estas histórias de cinema, eles vendiam e compravam deles mesmos, gerando pontos em centenas de cartões de crédito.

Forjavam gastos para poder usar cartões de crédito e, assim, criar milhas numa cascata. Uma viagem gerava gastos e assim os gastos criavam mais pontos nos cartões.

Haviam descoberto o “moto contínuo” nos preciosos Cartões de Crédito. Os bancos e as empresas dos cartões não estão nem aí para as despesas, quanto mais melhor. Os juros são altíssimos, daí pode surgir e prosperar estes golpes.

Usaram uma maneira simples de burlar todo mundo: emitindo boletos bancários falsos em que muitas vezes o pagador e o credor eram a mesma pessoa.

Como eram 15, poderiam emitir muitos boletos por mês e ninguém suspeitava de nada e isso tudo poderia ser convertidos em passagens aéreas, diárias de hotel e milhares de benefícios.

Tudo isso acontecendo numa rua pacata do Rio de Janeiro, onde foi planejado um dos maiores golpes com Cartões de Crédito.
Inventavam gastos irreais no cartão de crédito e criavam milhas.

Todos os boletos eram pagos com cartões de crédito, gerando mais e mais pontos para aquela família feliz que ficava viajando o ano inteiro, sem contar a casa cheia de objetos que compravam usando os pontinhos acumulados.

O dinheiro fazia um zig-zag entrando numa conta e saindo noutra da família, nunca deixando de gerar algumas milhas, para as próximas viagens. Trocavam estas milhas por passagens aéreas e estavam ganhando dinheiro negociando até com as agências de Turismo.

Foi aí que entrou em ação a PF e Ministério da Fazenda, investigando algumas contas que não fechavam. Colheram provas e um vasto arsenal de cartões de créditos, boletos bancários, passagens aéreas, notas fiscais e muitos documentos bancários.

E eu aqui pensando nos meus magros pontinhos, que nunca deram nem para uma passagem para o meu adorado Portugal.  Terra dos vinhos, dos azeites, dos azulejos azul e branco, dos pasteis doces e dos doces-doces das confeitarias.

Nem pensei em Lisboa, mas uma cidadezinha do interior, daquelas com menos de 10 mil habitantes; já estava bom.

Mas pobre é, e sempre será pobre.

Manoel Amaral