quarta-feira, 30 de julho de 2014

DIA DE PEDIDO DE DESCULPAS

DIA DE PEDIDO DE DESCULPAS

Imagem Google

Nosso verdadeiro amigo é aquele que não nos desculpa nada e nos perdoa “tudo.

Hoje é dia de pedir desculpas a todos.
Desculpe-me pais, filhos, irmãos, tios, avós, mais velhos, patrões, colegas, amigos, professores e aos meus próximos.
A todos peço desculpas, o mundo precisa disso.

Por um mundo melhor!

Manoel Amaral
www.afadinha.com.br  (o livro da Lulu)

terça-feira, 29 de julho de 2014

A TAÇA DA COPA DO MUNDO

A TAÇA

Imagem Google

Osvandir descia aquela rua esburacada, suja, lixo nas esquinas, catinga de urina por todo lado, era a ressaca proporcionada pela copa.

É que os Hermanos não são muito educados, e depois dizem que nós é que somos sem educação, não respeitamos as leis, não somos patriotas e etc. e tal.

Receberam as lições deles, não apanharam aqui, foram sem a taça e pronto. Caso encerrado.

Clos não queria saber mais de copa do mundo, estava preocupado agora era com o desaparecimento da Taça original.

Mas tudo isso aconteceu? Veja os fatos.

Aquela taça que a presidenta entregou ao campeão, tão brilhante, de ouro 18 quilates, com 36,8 cm de altura e 6,175 kg de peso. A base em duas camadas de malaquita semipreciosa, e a parte de baixo tinham gravados o nome de cada país campeão. Era falsa!

Foi um conhecedor de joias, aqui do Brasil, quem deu o grito:
Essa taça é falsificada!

Formaram logo uma comissão para estudar o assunto.

Como? Falsificada? Só pode ser coisa de brasileiro! E a segurança da Copa das Copas?
Até o Serviço de Inteligência foi requisitado para investigar o assunto.

Os alemães a levaram e estão muito felizes, mas onde está a original?

Do Brasil foi requisitado o Osvandir, que no momento andava meio ocupado com um visitante vindo da Franca, também investigador, o seu amigo Jean Jacques Clouseau, com o apelido de Clos.

Começaram seguindo os passos, através de vídeos, desde a chegada ao estádio e a entrega.

Notaram um vulto no meio da multidão com uma maleta de meio metro de comprimento, em atitudes suspeitas.

Logo as câmaras foram escurecidas, por um apagão intencional, e a seguir o mesmo vulto saiu para outro lado com a mesma maleta.

Acredita-se que minutos antes de ser entregue ela foi trocada por um bandido, vestido de jogador, que logo desapareceu no meio da multidão.
E agora? Como avisar aos alemães? E a FIFA? E se a jogada fosse dela?

Osvandir e Clos partiram para a Alemanha para investigar o assunto.

Receberam a incumbência de verificar se a taça era mesmo falsa.

Mas eles teriam que agir rápido, pois ao abrir o jornal do dia encontraram:

Alemães admitem que danificaram a taça da Copa nas comemorações

A taça da Copa do Mundo foi danificada por algum jogador alemão que se empolgou, completava o R7.

Ao chegarem ao local onde estava depositada, Osvandir e Clos disseram que eram do Brasil e precisavam fazer umas fotos da taça para o Museu do Futebol.

Acontece que Osvandir levou consigo uma pequena broca e ao colocá-la em posição para a foto passou a mão pelo pedestal. Pressionou o equipamento e com um furinho quase invisível retirou material do interior da taça.

Aquele material foi colocado rapidamente no seu bolso, sem que os guardas nada desconfiassem.

De volta ao Brasil, foram encontrar-se com o joalheiro que iria examinar o material coletado na taça.

Não precisou nem examinar, ele foi categórico:
É chumbo mesmo! Aquela cópia da taça é de chumbo recoberta por um folheado, do mesmo peso e tamanho da original.

Essa viagem e tanta observação por nada! A FIFA e os organizadores já sabiam. A taça original nunca foi entregue aos jogadores.

Aquilo era mesmo uma fantasia.

“Tudo bem que a taça recebida pelos alemães seja apenas uma réplica da original, que é feita com 5 kg de ouro puro e avaliada em cerca de 7,5 milhões de euros. O troféu verdadeiro foi entregue ao capitão Philipp Lahm, mas não seguiu viagem com o elenco campeão à Alemanha.”

Foi exatamente o que informou o jornal na manhã seguinte. 

Tanto esforço por nada!

Manoel Amaral

www.afadinha.com.br

quinta-feira, 24 de julho de 2014

ROMANCE NA INTERNET TERMINA EM MORTE

ROMANCE NA INTERNET TERMINA EM MORTE
“Bandido bom é aquele que ainda não nasceu.
(Comentarista da notícia)

 

Numa escola com atendimento especializado, Pré-escola, Ensino Fundamental, Ensino Médio em Ituiutaba/MG, Bairro Setor Sul,  no Pontal do Triângulo, na tarde desta terça-feira, 22 de julho, tudo tranquilo.

Mil alunos circulavam no intervalo, uma conversa aqui, uma briguinha ali, um namorico acolá, tudo coisa normal.

Um jovem pulou o muro, num local com pouco movimento, penetrou naquele ambiente estudantil.

Não era aluno da instituição, morava na cidade de Capinópolis, próximo dali a uns 40 km.

Portava um facão, mas ninguém percebeu, cada aluno aproveitava os últimos momentos do intervalo para conversar com os colegas como sempre acontecia.

Aproximou-se de uma garota de 13 anos que ali se encontrava em conversa com algumas amigas.

Sacou a arma branca da mochila e foi logo arrastando-a para um refeitório, local isolado dos outros alunos.

Ameaçava cortar-lhe o pescoço, a razão ninguém ficou sabendo direito.
Os outros alunos observavam a cena em pânico.

Alguém foi até a Diretoria e avisou que tinha um jovem querendo matar uma menina na escola.

A polícia foi acionada, tentou negociar, fez de tudo para que ele largasse a arma.

Ele acabou ferindo um dedo da menina.

Não sendo possível, policiais tentaram segurar o facão com as mãos.

Um tiro certeiro se ouviu e um corpo caiu no chão, tentaram socorrê-lo, mas o rapaz não resistiu aos ferimentos na cabeça e faleceu.

A vítima foi encaminhada ao Pronto Socorro Municipal com um ferimento leve e passa bem.

Pela carteira de identidade ficaram sabendo que o agressor tinha 17 anos.

Eles se conheceram pela internet.

Manoel Amaral
www.afadinha.com.br


segunda-feira, 21 de julho de 2014

O JOVEM CANDIDATO I & II



Imagem Google

“Uma eleição é feita para corrigir o erro da eleição anterior, mesmo que o agrave.”

De um lado os poderes do mal: os maus políticos, os traficantes, as drogas e os milhões. Do outro lado os do bem: a polícia, a justiça e a população sem tostões.

Tudo estava virando de cabeça para baixo. A eleição estava chegando.

Havia um candidato jovem, bonitão e rico. As estatísticas (compradas) indicavam que o candidato jovem subia como um foguete.

Dinheiro não faltava e apoiadores nem se fala. Doações caiam na rede como peixe. O partido novo estava vencendo em todas as regiões.

Seguindo a moda a agremiação não começava com a palavra partido. O nome escolhido foi União Renovadora Nacional -URNA. O partido foi registrado com a maior facilidade, um ano antes das eleições.

Não faltavam apoiadores e candidatos mil. A maioria das cidades que tinham tantos candidatos que era necessário fazer uma triagem: eliminavam a metade e só a outra metade poderia concorrer.

As cores estavam espalhadas por todos os morros, centros e bairros. As capitais estavam todas coloridas de verde e branco.

As fotos do candidato estavam dependuradas até em árvores, nas porteiras. Outdoors gigantes espalhados pelos prédios abaixo. Em todos os muros foram desenhados as imagens do partido. Não sobrou espaço para nenhum outro, que estavam encolhidos mediante o gigantismo daquele candidato. Todas as maneiras de propaganda foram utilizadas.

O símbolo era uma mão segurando a outra sobre um fundo verde e branco.
Inventaram milhões de insinuações de que o desenho tinha duas pistolas de cano longo, uma suástica etc. etc.

Milhões de bandeirinhas, bandeiras e bandeirões, bem como faixas de todos os tamanhos circulavam nas mãos de crianças, jovens e velhos.

Muitas mulheres foram arregimentadas para trabalhar como batalhão de frente. Os velhinhos estavam ganhando muito bem distribuindo santinhos por todo lado.

As escolas públicas e privadas, ávidas por algumas verbas a mais, promoviam debates imitando os candidatos e o jovem sempre ganhava de todos.

As grandes empresas estavam todas com aquele candidato apesar de distribuir doações para todos.

Os candidatos a Governadores, Senadores, Deputados Federais e Estaduais daquele partido estavam muito bem colocados. Onde aparecia as cores verde e branco tudo ia de vento em popa, em todos estados.

De Norte a Sul aquele partido ia vencendo a olhos vistos. Não faltavam eleitores, todos muito empolgados.

As urnas eletrônicas passaram por uma revisão. Agora não precisava nem de título eleitoral. Bastava a pessoa colocar o indicador no visor e os seus dados apareciam na tela.

Marcar o candidato ficou mais fácil ainda, por todos os lados tinham as fotos e os números.

Aquela besteira de proibir Showmício acabou. Por todo canto havia um candidato divulgando os seus textos e pensamentos.

Na TV, o prazo da União Renovadora Nacional - URNA era o maior devido as inúmeras coligações.

Os eleitores estavam muito bem tratados. Todos os dias recebiam bolsas, camisas, bonés e até dinheiro devidamente colocado num envelope branco. Sem contar os alimentos, que agora estavam mais baratos. Algumas cestas tinham até carne de primeira e papel higiênico.

Tanto candidato dando as coisas que estava difícil atravessar a rua. Pequenos brindes estavam espalhados em cada esquina, era só o eleitor apanhar.

Em cada casa tinha uma bandeira, nos prédios os bandeirões. Nas mãos das crianças as bandeirinhas.

Adesivos nos carros, placas nos quintais e nas esquinas, de todos tamanhos e gostos.

O dia 15 de novembro estava chegando, a vitória estava próxima.

Houve alguém que até disse que este candidato seria o “divisor de águas,” nunca ninguém fizera uma campanha eleitoral igual a esta.

Toda a eleição decorreu na maior tranquilidade.

Só aconteceu um caso muito interessante: um pequeno povoado com mil e poucos eleitores teve mais votos que habitantes.

Manoel Amaral







O JOVEM CANDIDATO II
"No meio de um povo geralmente corrupto a liberdade não pode durar muito."
 Edmund Burke

Imagem Google

Não precisava nem contar os votos, todos sabiam que aquele candidato ia ganhar mesmo, a chuva de votos foi tão grande que ninguém acreditou. Ele foi eleito com mais de 80% dos votos. Os outros candidatos pegaram uns 15% e 5% para os votos nulos ou brancos.

A oposição não conseguiu fazer quase nenhum candidato.

Eleito e tomado posse, o jovem presidente foi logo tomando as providências para fazer um bom governo.

Primeiro diminuiu o número de Ministros. Convidou só homens gabaritados para os cargos e não esqueceu os pequenos partidos.

A primeira medida que tomou foi um alvoroço total: foram abolidos todos os incentivos fiscais e bolsas.

Agora as empresas deveriam competir com os produtos internacionais.

Os bolsistas deveriam fazer o mesmo, arranjar um emprego para pagar os estudos.

Outros benefícios de qualquer espécie foram acabando. Os que vivam na mamata, sugando os cofres da nação, foram ficando preocupados.

As ONGs receberam uma comunicação que para receber novas verbas federais deveriam comprovar o uso das anteriores.

A metade fechou, espontaneamente, as portas. Não tinham meios de comprovar todas as despesas. O dinheiro público tinha ido para o ralo.

Era tudo tão prático que diminuiu as saídas e aumentou as entradas de dinheiro.

Alguns impostos foram abolidos e outros tiveram as alíquotas rebaixadas, isto seria o novo incentivo para todos, não para determinados grupos.

O maior problema foi quando ele resolveu fiscalizar as obras das grandes empreiteiras, negar alguns empréstimos para grandes empresas e fiscalizar as licitações marcadas.

As empreiteiras, os canais de TV, as grandes revistas, os grupos sugadores trabalharam em surdina e começaram a montar um esquema para derrubar o jovem Presidente.

Pegaram um motorista que trabalhava no grupo presidencial, uma faxineira, montaram um falso filme sobre sexo e suborno.

Coitado do político, as manchetes das revistas e jornais só publicavam aquilo.

O povo é ingrato, é como folha de bananeira, vira de acordo com o vento. Não esperaram o resultado, o condenaram antes de o processo terminar. Foram todos contra ele.

Foi retirado do governo através de Impeachment. 

Grandes cartazes foram espalhados por todo lado: “O povo coloca o povo tira.”  

Os canais de TV filmavam uns dez manifestantes e replicavam transformando-os em mil, dez mil, fazendo crer que aquilo era no país inteiro.

O povo como sempre, foi manobrado e enganado, em favor de grupos.

Caiu o jovem Presidente da URNA - União Renovadora Nacional, outros bandidos tomaram conta do poder e tudo continuou com antes naquela republiqueta.


Manoel Amaral

terça-feira, 15 de julho de 2014

15 DE JULHO: DIA DO HOMEM... FELIZ!


COMO FAZER UM HOMEM FELIZ
Imagem Google

A história começa assim…
No mais alto pico do Tibet vive o mais sábio homem do mundo.
Certa vez uma mulher foi à sua procura e perguntou-lhe:
- Mestre dos mestres! Qual o caminho mais curto e seguro para o coração de um Homem?
O mestre respondeu-lhe:
- Não há caminho seguro para o coração de um homem, filha.
Só trilhas à beira de penhascos e caminhos sem mapas, cheios de pedras e serpentes venenosas..
- Mas, então, mestre… O que devo fazer para conquistar o coração da meu marido?
Então lhe disse o grande guru:
- Fazer um homem feliz é fácil.
- Só é necessário ser:
1) Amiga
2) Companheira
3) Amante
4) Irmã
5) Mãe
6) Chefe
7) Educadora
9) Cozinheira
9) Mecânica
10) Encanadora
11) Decoradora de Interiores
12) Estilista
13) Eletricista
14) Sexóloga
15) Urologista
16) Psicóloga
17) Psiquiatra
18) Terapeuta
19) Audaz
20) Simpática
21) Esportista
22) Carinhosa
23) Atenta
24) Cavalheira
25) Inteligente
26) Imaginativa
27) Criativa
28) Doce
29) Forte
30) Compreensiva
31) Tolerante
32) Prudente
33) Ambiciosa
34) Capaz
35) Valente
36) Decidida
37) Confiável
38) Respeitadora
39) Apaixonada
40) E, de preferência, RICA!!!
41) Limpar sempre o chão;
- Não coçar aquele lugar na frente dele;
- Não arrotar alto. Aliás, não arrote;
- Dê uma TV de 50”... Muitos presentes;
- Não comer as unhas;
- Não peide sob o cobertor. Aliás, não peide.
- Não ronque;
- Levante a tampa do vaso depois de fazer xixi.
- Deixe ele ter ciúme de você, ele pode;
- Use perfume (que preste);
- Dê descarga depois de sair da privada;
- Não fale palavrão;
- Não seja engraçadinha com os outros;
- Não fale mal da mãe dele. Aliás, ame a mãe dele;
- Não tenha ciúme dele;
- Não fique barriguda. Aliás, não engorde;
- Não demore no banho;
- Não chegue tarde em casa.
- Saia para trabalhar e volte correndo;
- Não bata papo até tarde com amigas. Aliás, não tenha amigas;
- Seja econômica. Não use cartões de crédito;
- Nunca diga que homem não sabe dirigir;
- Não olhe para outros homens…. Aliás, não existem outros homens;
- Aprenda a cozinhar o mais rápido possível;
- Diga ‘eu te amo’ pelo menos 05 vezes por dia;
- Lave a louça;
- Não fique ligando para ele de qualquer lugar;
- Deixe ele conversar durante horas ao telefone;
- Só ele pode ficar no Facebook o dia inteiro.
- Não seja fanática por Novelas.
- Faça as unhas todos os dias para não arranhá-lo;
- Nunca reclame de nada; e deixe a g
eladeira cheia de cerveja. 
- Repare quando ele cortar o cabelo e diga sempre que ficou lindo…
E é muito importante ainda não esquecer as datas do churrasco, da festa 0800, aniversário da mãe dele, tia, irmão ou irmã mais querida; aniversário dos avós, da melhor amigam dele… E do cachorro de estimação
Infelizmente, o cumprimento de todas estas instruções não garante 100% a felicidade dele, porque poderia sentir-se preso a uma vida de sufocante perfeição.
- E o mais importante, minha jovem… Espere… Volte aqui…
NÃO… NÃO PULE… NÃO SE MATEEEEEEEEEEEEE!!!!
Manoel Amaral

quinta-feira, 10 de julho de 2014

PALAVRAS ASSASSINAS

O PODER DA PALAVRA ESCRITA
 Imagem Google

O jogo não dera certo, de repente a seleção contrária disparou a fazer gols e ninguém a segurava.

Foi uma decepção, veio o primeiro, o segundo, o terceiro, o quarto e assim até o nono.

Ninguém sabia o que tinha acontecido. O goleiro estava pasmo, nem ele acreditava.

Aquele campeonato tinha ido por água abaixo e muito rápido.

Nada adiantou os treinos, as massagens, as corridas, as palestras de ânimos e a fala da psicóloga, sem contar os médicos de plantão.

O capitão não sabia onde enfiar a cara, o treinador apresentou a sua demissão.

A torcida, da euforia passou a histeria, queria estrangular qualquer um para cristo.

Foi aí que começaram a surgir boatos na internet, mais especificamente no Twitter e no Facebook.

Alguém tinha adentrado no estádio antes do jogo e colocado qualquer coisa na água dos jogadores, um comprimido calmante.

Então era isso, quem tomou daquela água antes, durante e após o jogo foi ficando com o corpo mole, pedindo cama.

Estava estabelecida a época da caça, sem mais nem menos apareceu no Facebook um cara suspeito.

As câmeras espalhadas pela entrada do estádio e internamente não registraram coisa nenhuma de anormal. Mas espera aí, ali estava o suspeito, roupa preta, era um ninja.

Logo apareceu o seu primeiro retrato falado. E todos foram “à caça das bruxas.” Voltamos à Idade Média!

Com um pedaço de pau numa mão e na outra aquela foto borrada, que poderia ser qualquer pessoa.

Começaram no entorno do estádio, olharam num bar, entraram no comércio local e nada!

Estava escurecendo. O estádio quase fechando as portas. Eureca! Ali estava o homem. Era o Zelador, o seu nome? Ninguém sabia.

Começaram a espancá-lo e o caso virou manchete de todos os jornais da região, do país e até do exterior.

Foi encontrado por um passante, ensanguentado, quase morto internado num posto de saúde municipal, daqueles que não tem nada, nem esparadrapo, muito menos médico de plantão.

O povo ficou na dúvida: seria aquele mesmo o homem culpado?
Também nada ficou comprovado sobre o calmante na água.

Ninguém perguntou pela família do pobre homem que faleceu ali naquelas macas sujas de sangue seco, velho, de outros pacientes.

Tudo começou com umas palavras assassinas jogadas maldosamente nas mídias sociais e absorvidas avidamente pelo povão que gosta de ver o sangue correr.

Manoel Amaral