sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

O REALITY SHOW DOS VELHINHOS

O BBB DOS VELHINHOS
Esta nova modalidade de Reality Show foi criada, quando o BBB já não dava mais ibope, virou uma mesmice só. Todo ano aquele besteirol sem fim.
Aí que um velhinho muito esperto mandou a proposta para uma emissora de TV. Ela leu o roteiro, achou muito engraçado e resolveu aceitá-lo.
Mas não contavam com os problemas que seriam enfrentados. Logo na seleção quatro imprevistos aconteceram.
Rosenval, de 70 anos, faleceu quando recebeu a notícia de que fora selecionado.
Outro cara que não pode nem entrar na casa, foi Zé do Toco, 69 anos, fazendeiro conhecidíssimo na região, foi acometido de uma diarreia, quando recebeu a comunicação da TV.
Mariquita, (as mulheres, por questão de educação, não colocaremos a idade) boazinha demais, gente finíssima, ficou muda.
Já Margô, que não largava os 4 celulares, quando avisaram para ela que não poderia levá-los, desistiu de participar.
Por prevenção a Emissora selecionara vinte participantes, quatorze iriam para casa, deixando seis para garantir qualquer imprevisto.
Neste meio tempo, quatro meses, entre a seleção e início do Reality Show, mais dois velhinhos bateram as botas.
Estava tudo muito tumultuado, nunca tinham inventado um programa com tantos problemas. Tiveram que reformular todos os esquemas.
Criaram um setor de fisioterapia no lugar da academia, uma biblioteca no lugar do quarto branco, todos os banheiros receberam um corrimão diferente. É bom lembrar que tinha corrimão por todo lado.
No local das escadas para o segundo andar, fizeram um rampa. Aliás, todos os tipos de escadarias e saliências foram substituídos por rampas.
Os chuveiros eram totalmente abertos, todos entravam e saiam facilmente, eliminando o problema de algum velhinho ficar preso por lá.
A direção do programa contratou Lalau, um apresentador de 71 anos que entendia bem os problemas dos participantes.
Tudo estava engatilhado para ter início em 1º de outubro, no dia do idoso.
O sindicato dos velhinhos, de Brasília, entrou na justiça tentando impedir o início daquele programa. Esquecemos de dizer: tinha um político do interior que fora selecionado e também um escritor.
Os jornais do mundo inteiro lançaram teorias mais estranhas sobre o assunto. Os psicólogos ingleses achavam que eles (os velhinhos) iriam ter uma depressão muito grande assim que se afastassem de suas casas e fossem para o programa. Já os americanos, sempre mais liberais, diziam que tudo aquilo seria uma zorra geral.
Teve até um cientista brasileiro que fez várias experiências com ratos e chegou a conclusão que os velhinhos iriam se dar muito bem. Melhor do que estes jovens sarados.
O tempo foi passando, o dia foi chegando, a emissora só faturando. Era assunto do dia em todos os canais (opa!).
As fofocas foram aumentando e os casos amorosos da turma escolhida, começaram a pipocar por todos os lados.
Muitos filhos, não reconhecidos e também pilantras, foram aparecendo com a intenção de por a mão na grana do vencedor, que receberia cinco milhões.
Estava ficando difícil de conter a ira do povo, que queria saber por todos os meios, quais eram os escolhidos. Mas o programa guardava este segredo a sete chaves e jogara todas elas Cachoeira abaixo.
Em meio a estes problemas todos, um jornal descobriu em que hotel os velhinhos estavam e começou a publicar reportagens sobre o assunto, mostrando alguns deles em posições nada recomendáveis (de bengala, andador, muletas, etc.).
A emissora atribulada com tantos problemas recebeu, para piorar a situação, uma intimação da justiça.
Era o MP (como sempre) que entrou em cena e com milhões de alegações, inclusive ações de indenizações que poderiam mover contra emissora, tirou o programa do ar antes mesmo dele iniciar.
Manoel Amaral
http://osvandir.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário