domingo, 17 de novembro de 2013

OSVANDIR E AGOSTINHO NO RIO II - FINAL

Capítulo II

O CAVEIRÃO

“A violência destrói o que ela pretende defender: a dignidade da vida, a liberdade do ser humano”
(Papa João Paulo II)

Tudo parecia tranquilo naquela manhã de quinta-feira, Osvandir acabava de chegar de mais um passeio turístico pelas praias de Copacabana.
Tomara banho e seguira para o restaurante do hotel para almoçar.

Quando estava saboreando o último gole do vinho francês Chateauneff que estava sobre a mesa, o seu celular tocou. Era a Bebel, mulher do Agostinho, solicitando ajuda. Alguém iria passar no Hotel para apanhar Osvandir e levá-lo até o local.

Naquela apreensão sem saber o que seria, Osvandir ficou lendo uma revista Época, ou melhor, olhando as figuras. Mulheres lindas desfilavam na calçada de Copacabana. Um friozinho vinha do mar e assolava a todos.
Um carro parou na entrada do hotel, o coração de Osvandir começou a bater mais forte, mas acalmou-se logo após, quando notou uma bela mulher loura, descer do veículo.

Era a acompanhante que iria levá-lo até onde estaria o seu novo amigo Agostinho. O motorista, meio suspeito, portava uma estranha barba ruiva e um longo bigode a atravessar-lhe o rosto. Um chapéu panamá encobria-lhe parte da cabeça. Os óculos escuros de aro largo, cobria todo seus olhos. Tinha mais ou menos uns 35 anos. Falava pouco e media as palavras.

Um mistério rondava o ar, o que seria que estava para acontecer? Agostinho estaria em perigo de vida? Fora assaltado mais uma vez?

Torturado por estes pensamentos começou logo a conversar com a passageira, sua acompanhante.

― O que foi que aconteceu? Mais um assalto?
― Não! Não! Você vai ficar sabendo logo que chegarmos a Favela da Rocinha.
Um barulho, já seu conhecido, fez-se ouvir lá nos morros. Era uma metralhadora, cuspindo fogo em algum lugar.

Num balanço do veículo, Osvandir pode notar uma arma na cintura do motorista. Parecia uma Pistola Taurus PT 92, para 12 tiros. O medo foi tomando conta do nosso aventureiro.

Rio de Janeiro não era brincadeira não. Uma autoridade paralela governava o Estado. Estava escrito no rosto daquele motorista.

Os Grupos de Elite, das favelas possuem armas muito mais pesadas e mais possantes que as armas dos policiais. Tem até um  Fuzil HK G3 - de calibre 7.62x51 mm atira 600 tiros por minuto e suas balas percorrem mil metros em um segundo. Olha só o absurdo, 600 tiros por minuto. É bala que não acaba mais. Por esta razão que existe tantas mortes por bala perdida. Não são perdidas, saem desta arma; quando os atiradores, bêbados ou drogados, saem atirando a esmo.

Dava para perceber que se aproximavam do local, devido a barulhada de balas cruzando no espaço. A Favela da Rocinha é a maior da América Latina, tem 150.000 habitantes, que na maioria é gente simples, honestas, que trabalha para ganhar o seu suado pão de cada dia. Tem de tudo, é uma cidade dentro da cidade. Tem até governo próprio. Os traficantes dominam maior parte do local, com seus possantes AK-47 que é  a arma mais usadas por eles, em São Paulo e Rio de Janeiro.

Desceram num local nada recomendável, havia um barracão lá no fundo, com telhas de amianto e uma pequena varanda na frente. Estava ainda por terminar, as paredes de tijolos velhos, sem reboque.

Osvandir ficou com um pé atrás, com a pulga atrás da orelha. Qualquer coisa não ia bem. Os homens estavam nervosos, correndo para um beco bem estreito e escuro. Vários tiros foram ouvidos ali por perto, anunciavam qualquer coisa.

A mulher agachou-se atrás de uns velhos tambores de óleo. O motorista sacou a arma e atirou para os lados do beco. O clima estava quente. Os sequestradores perderam o homem da TV Globo. Agostinho havia fugido do cativeiro. Não havia nada que negociar. Osvandir também arrumou um jeito de escapar daqueles dois.

Enquanto o Caveirão, carro especial da Polícia, roncava lá em baixo e um confronto era montado, as pessoas fugindo do local. O comércio cerrava as portas. Tudo parecia um clima de guerra. Quem não está acostumado com aquilo, fica muito assustado.

Foi aí, que por um milagre, apareceu no começo da rua, um táxi. 

Osvandir deu sinal e ele foi parar mais embaixo. Entrou apressadamente e mandou e que seguisse para o Hotel Copacabana Palace:

― Vá direto, não faça nenhuma parada, pago o dobro da corrida!
         ― Sim Doutor! Disse o taxista.

        Quando já refeito do susto, saboreando um copo de água mineral, Osvandir ficou sabendo pela TV que havia um confronto na Favela pelo desaparecimento de Agostinho da TV Globo, do cativeiro.

        Os repórteres informavam que ninguém sabia de mais detalhes...


FIM

Manoel Amaral
www.casadosmunicipios.com.br

NOTA DO AUTOR: Este texto foi enviado, graciosamente, para Rede Globo para compor algum capítulo da Série "A Grande Família", em resposta o autor recebeu o seguinte e-mail: 

Manoel Amaral

Rede Globo quer se relacionar e interagir com seu público, criando uma programação cada vez mais próxima de quem nos assiste. Informamos, contudo, que a nossa política interna não permite o recebimento ou a análise de materiais (tais como sinopses, roteiros, modelos de programas, formatos etc.) elaborados por profissionais que não são contratados pela emissora. Agradecemos seu interesse e sua audiência.


Cordialmente,
Globo.


Saiba mais: www.redeglobo.com.br
Siga @rede_globo
E curta nossa página no www.facebook.com/RedeGlobo


Nenhum comentário:

Postar um comentário