segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

TRAGÉDIA DE SANTA MARIA


NÃO VOU FALAR DE TRAGÉDIA...

“O que matou foi o pânico, a inalação da fumaça tóxica e a dificuldade em sair". (Cel. Guido, comandante do Corpo de Bombeiros)

 

O mundo inteiro publicou manchete sobre a tragédia de Santa Maria.

Não falarei sobre o assunto. Caso encerrado. Erros apurados, não vão devolver as centenas de mortos as suas famílias.

Ninguém vai mudar nada. As Boates continuarão recebendo menores, os fogos serão apontados para o teto. O terror vai continuar para todo lado.

Festas de formatura acontecem em todo país. Os jovens amontoam-se em cubículos e querem divertir-se.

Mas contra a fumaça, que mata em cinco minutos, não há solução, não há tecnologia que resolva esta situação.

Os conjuntos, as bandas, já assistiram tantas mortes por causa de incêndio,  não sei porque continuam usando show pirotécnico em recinto fechado.

Não vamos aqui relembrar o desespero da mãe, do pai exigindo justiça. Não vai adiantar nada, quem conseguirá trazê-los de volta?

Nem ficar dizendo que o extintor não funcionou ou que a boate não tinha alvará, agora é tarde demais.

Não vamos lamentar que o computador com as imagens das câmaras de segurança  tenham desaparecido, elas não iriam resolver nada.

E as famílias que nem tinham dinheiro para comprar o caixão? Isso são coisas de somenos importância.

Devemos agora pensar no futuro, aprovar apenas projetos com amplas portas de emergência e bem sinalizadas. Teto sem produto inflamável e jamais permitir o uso de fogo.

Seguranças bem treinados e não um Zé Mané qualquer, escolhido pela altura e corpulência.

Olha só, ainda tinha jornal publicando fotos de celulares de minutos antes da tragédia, mas que coisa horrorosa.

Um artista jamais imaginaria que usando um sinalizador provocaria uma tragédia. As faíscas atingiram a espuma do isolamento acústico no teto do estabelecimento e as chamas se espalharam pelo recinto.

No caso de Santa Maria, apenas duas portas laterais, bem amplas e sinalizadas, teriam resolvido o assunto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário