sábado, 4 de agosto de 2012

O MAGO E OSVANDIR



Capítulo III
O MAGO E OSVANDIR

Se queres prever o futuro, estuda o passado.
No interior do castelo, próximo da sala do trono, aquele jovem queria saber para onde Osvandir ia com aquela armadura toda. Se seria algum campeonato ou torneio de algum reino vizinho.

Osvandir informou que aquela vestimenta era apenas o equipamento de proteção para quem fosse usar um veículo do futuro.

-- Futuro? Você disse futuro? Quem é este jovem, Merlin? – As preocupações tinham fundamento, naquela época poderiam aparecer espiões contando mentiras sobre outros reinos.

-- Arthur, vou conversar direito com Osvandir, depois nós dois conversamos.
-- Osvandir? Este é o nome dele? Nunca vi um nome tão estranho assim!

Chegando, no que seria assim como um laboratório, com tubos por todos os lados e muitas anotações até nas paredes, puderam conversar mais à vontade.

O Mago queria saber muitas coisas, principalmente onde estava a máquina que usara para chegar até aquelas terras.

Osvandir informou que não usara nenhum veículo, apenas um Portal do Tempo. Que vinha do Brasil, mais precisamente de outro continente. Devido a incredulidade do Mestre, Osvandir teve que leva-lo até a sua moto, que estava guardada na estrebaria.

Quando a viu ficou completamente pasmo. Amarelou, vermelhou e falou:
-- Mas que raios é isso? Uma máquina do tempo? Como funciona? – E foi logo tomando o assento, ligando a chave de ignição e sem saber acelerou.

O tombo já era esperado. Não machucou-se porque ali só tinha feno.

-- Quero dar uma volta e ir para o futuro!
-- Não é bem assim Merlin. Vamos apenas dar uma volta.

Osvandir escolheu um pequeno trecho da estrada, foi e voltou, para a decepção do velhinho. Ele queria ir para o futuro.

O quarto que foi destinado ao novo hóspede, era bem próximo do laboratório.

Abriu a sua mochila, sob os olhares do Mago, que observava tudo. Retirou duas garrafinhas de 200 ml de Coca Cola e deu uma para ele provar.

-- Hummmmm! Parece xarope. Para que serve?

-- Não, isso não é remédio é refrigerante, uma bebida de nosso tempo.
-- Vou pesquisar os ingredientes.

Osvandir guardou a outra junto com os seus equipamentos e pediu ao seu novo amigo que o levasse até onde estava enterrada a espada Excalibur.

(Continua...)

Manoel Amaral

Nenhum comentário:

Postar um comentário