terça-feira, 13 de julho de 2010

OSVANDIR, O ESPIÃO QUE ABALOU A RÚSSIA


Capítulo II
OSVANDIR, UM ESPIÃO


Ele foi preso e, acusado de ser um agente da CIA, a serviço de inteligência dos EUA.
“Osvandir foi acusado, pela Promotoria, de se passar por cidadão russo para, sob as ordens dos serviços de inteligência americano, se infiltrar em círculos políticos influentes da Rússia e coletar informações. Após as confissões no tribunal de Moscou, o juiz responsável pelo caso descartou as outras acusações que pesavam contra o suspeito - entre elas a de microfilmar importantes pesquisas sobre ufologia - e ordenou a sua deportação imediata do país, o que seria fruto de um acordo em troca das confissões..”

Se todas aquelas acusações se confirmassem ele seria enviado para a Sibéria, para trabalhos forçados, num local com temperatura maior que -25º (vinte e cinco graus abaixo de zero!). Logo ele que não estava suportando nem 20º, acostumado que estava com sol o ano inteiro em sua terra natal.

O Governo Americano mandou um avião com alguns espiões, a Rússia fez o mesmo. Pousaram num campo secretO e a impressa não teve acesso. Tentaram fotografar, mas não foi possível. Tudo fora projetado para que a integridade física do espiões fosse mantida.

Osvandir que mal conhecera a Rússia foi deportado para o EUA.
No avião, abriu sorrateiramente o seu note book e viu no seu jornal eletrônico preferido a seguinte manchete:

EUA e Rússia realizam maior troca de espiões pós-Guerra Fria

“Os órfãos da Guerra Fria voltaram a suspirar esta semana com a prisão em Nova York da jovem espiã russa Anna Chapman, acusada de usar seus encantos de mulher fatal, e ainda por cima ruiva, para seduzir funcionários do governo e empresários americanos. Buscava, diz a Polícia Federal dos EUA, “segredos íntimos” para o Kremlim.”
Outro texto vinha da Rússia:

“Um avião trouxe quatro espiões condenados na Rússia e que receberam um perdão do presidente, Dimitri Medvedev.”

Assim, nesta confusão de contra-informação Osvandir estava metido até o pescoço. A Rússia o acusava de espião, os EUA nem desconfiava que ele era brasileiro.
Quando puseram os pés em New York foi que o FBI descobriu um estranho entre os espiões. Interrogado e jogado numa cela fria por dois dias, depois foi levado para a prisão de Guantânamo, Base Naval dos EUA em Cuba, acusado de terrorista.

Por ali ficou até que o Consulado Brasileiro tomou conhecimento e providenciou documentação para a sua soltura.

Quando as autoridades americanas souberam que ele era “ufólogo brasileiro”, todos caíram na gargalhada.

Liberado e deportado com forte esquema de segurança. Partiu de Cuba num dia chuvoso e veio parar no aeroporto de São Paulo. De lá conseguiu ligar para um amigo que o trouxe até a sua terra.

Depois de passado o susto, ficou imaginando o que seria dele se fosse para a Sibéria, morreria dentro de poucos dias com os trabalhos forçados e o frio, logo ele que não passou nenhuma noite com a linda espiã ruiva Anna Chapman.

Manoel Amaral

Leia o Capítulo I e II

http://osvandir.blogspot.com.br/2010/07/osvandir-o-espiao-que-abalou-russia.html

http://osvandir.blogspot.com.br/2010/07/osvandir-o-espiao-que-abalou-russia_13.html

2 comentários:

  1. Puxa, que história. E que sufuco passou Osvandir.
    Isto que é viver uma vida de aventuras e emoções. Ainda que algumas emoções, bem ruins.
    Mas se fosse todas boas, a vida não teria tanta graça assim.
    O fato é que Osvandir sempre apronta por ai, mas acaba voltando para o paraiso (Brazil).
    Muito legal esta aventura.
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Caro Manuel,
    espero que Osvandir nunca perca este ímpeto aventureiro.
    Já postei uma chamada para o lançamento do novo livro.
    Desejo-lhe sucesso.
    Um fraterno abraço.

    ResponderExcluir