sexta-feira, 11 de junho de 2010

OSVANDIR & NAZTAR, O NETO DE TARZAN I

A MINA DE OURO

Imagem Google


Mrs. John Wassman, o lendário Naztar, neto de Tarzan, percorre as selvas ainda restante do devastado continente africano, protegendo-a da ganância dos países exploradores.

Em Angola, Congo e África do Sul, enfrenta grandes problemas contra a cobiça internacional por causa da extraordinária riqueza mineral existente em seu subsolo. Dos 48 minerais considerados estratégicos pelo mundo industrial de alta tecnologia, a África monopoliza não menos que 38.

As grandes potências mundiais, China, Japão, a Coréia do Sul, a Índia, a Turquia, o Irã França, Itália, Espanha, Portugal, Inglaterra, mas ainda da Alemanha, da Rússia e até da Polônia, incluindo o Brasil
estão todos na disputa por um pedaço de terra na sofrida África.

Todos querem avançar, atirar, matar e arrancar o que resta de riqueza no subsolo.

Isso representa riscos para o continente africano, para o meio ambiente e a população. A China há muitos anos já monta um esquema de exploração e aquisição nos 53 países africanos, interessada em materiais estratégicos.

A população muito pobre, ditadores muito ricos, guerras civis, exploração religiosa e tudo mais para agravar a situação.

É neste cenário em que entra Naztar, o neto de Tarzan. Ele chegou para acabar com a exploração.

Saiu de New York e foi direto para Johanesburgo, onde uma mina de ouro com mais de três mil trabalhadores, estão sofrendo com os constantes desabamentos.

O Governo da África do Sul quer fechar a mina, pela falta de segurança, as empresas continuam explorando os mineiros.

Num recente acidente, mais de cinqüenta pessoas faleceram, ficaram enterrados para sempre, no meio daquela riqueza.

A chegada de Naztar foi muito aplaudida, ele tentaria solucionar alguns problemas naquele local.

Entrou logo em contato com os administradores, mandou reforçar os escoramentos, solicitou colocação de mais iluminação e ventilação, o que não agradou nada aos proprietários.

A empresa “Desharmony”, responsável pela mina não quer aumentar gastos, ao contrário, pretende reduzi-los. Enquanto isso os três mil mineiros correm riscos constantes.

Todos os dias novos acidentes. Ainda ontem os mineiros ficaram presos na com a queda de uma coluna sobre o fosso do elevador principal, que ficou parado, depois que as conexões elétricas foram destruídas.

Um dos mineiros informou:
__ A infra-estrutura do poço tem problemas, porque é muito velha e nunca recebe manutenção.
__ Trabalhar ali é correr alto risco de vida – falou outro mineiro exaltado.
__ Nos últimos dois anos, - informou o Presidente do Sindicato dos Mineiros - a região mineradora custou a vida de dezenas de mineiros em deslizamentos de rochas e outros acidentes.

Naztar, ouvia tudo isso e procurava mais informações sobre a grande empresa mineradora, a “Desharmony”. A mina fica em Johnyville, perto de Johanesburgo. A Desharmony é uma da maiores extratoras de ouro do mundo e uma das maiores empresas da África do Sul, o maior produtor mundial de ouro e que tem a mineração como o principal pilar de sua economia.

Nem bem acabara de obter essas informações e novo desabamento foi anunciado e vários mineiros ficaram presos entre num setor de dinamitação e a saída da mina.

Osvandir chegou para a Copa do Mundo, nem teve tempo de ver treinos do Brasil, foi chamado para ajudar Naztar.

Naquele hotel de Johanesburgo os dois se conheceram;
__ Mas que prazer conhecer tão ilustre figura do Brasil – disse Naztar.
__ Eu é que estou encantado com o seu trabalho aqui na África, há muito que pretendia realizar alguma coisa para ajudar este sofrido povo e essa é a hora, - falou Osvandir.

Enquanto os dois conversavam, novos equipamentos de segurança eram fornecidos, mas as maneiras antigas de exploração, a idade da mina com mais de 30 anos, tudo isso conjugado provocam acidentes quase todos os dias.

Naztar fazia um grande esforço, solicitando aos encarregado que trouxessem a perfuratriz para que abrisse um poço paralelo, com a finalidade de entrada de ar e com sua ampliação, para a saída dos pobres mineiros.

Enquanto Osvandir ajudava no resgate de alguns mineiros que eram levados à superfície, aplausos foram ouvidos para aquele jovem descompromissado, que veio até a África do Sul trabalhar em prol de um mundo melhor.

Os mineiros resgatados chegavam traumatizados, com sinais de cansaço, fome, cãibras e, em alguns casos, desidratação e claustrofobia.

Enquanto isso o Administrador dava entrevista informando que os os mineiros resgatados estavam bem de saúde.

MANOEL AMARAL

Um comentário:

  1. É uma história ou uma denuncia?
    É fato ou ficção?
    Foi no passado ou é agora?
    O fato é que Osvandir está sempre presente, onde quer que precisem de ajuda.
    Abraços

    ResponderExcluir