segunda-feira, 14 de setembro de 2009

OSVANDIR & O DIA EM QUE A INTERNET ACABOU IV

Capítulo IV

A VOLTA


“E tudo voltou como d’antes no castelo de Abrantes”
(Sábio Velhinho de Jerico)


O povo em polvorosa, gritando:
__ A energia elétrica chegou! Os rádios e TVs estão funcionando!
__ Mas o que estão falando sobre a estranha luz, perguntou Osvandir.
__ Nada ainda, respondeu Jeq.

A TV da sala da casa do Prefeito e a do bar da praça, estavam funcionando. Ora vinha a imagem de um militar, ora de um homem parecido com o Presidente.

A viagem do Osvandir foi adiada até segunda ordem. Precisava saber mais alguma coisa.

Foi com Jeq até a sua sala de trabalho e tentaram ligar o computador.
Só aparecia uma tela vazia e sem cor. Internet não estava conseguindo acessar.

Quando eles conversavam uma imagem apareceu na tela, que não parava de girar. Algumas letras foram completando o texto:

______________________________________________________________
A página não pode ser exibida
A página que você procura não está disponível no momento.
Talvez o site esteja passando por dificuldades técnicas ou você precise ajustar as configurações do navegador.

_______________________________________________________________


Que navegador? Não tinha nenhum para usar. Mas qualquer coisa já estava começando a funcionar.

Os nerds de garagem já estavam bolando planos para novos programas.
Google não existia mais, nem yahoo, muito menos UOL e Gmail. Funcionava muito mal um tal de Yagoo...

Os programas do Bil Gates foram para o beleléu... Uma vantagem grande foi que os vírus desapareceram.

Alguns joguinhos, simplezinhos, já estavam funcionando.

Os nossos arquivos foram todos deletados. Alguns processadores de textos foram entregues ao público gratuitamente.

Só os Militares estavam usando a internet fluentemente. O povão dependia das Companhias de Telefonia, Satélites, um inferno sem fim...

Um grupo de programadores estava trabalhando rápido para colocar à disposição do povo uma série de programas.

Um buscador já funcionava a todo vapor: Busk. Um navegador também começava a dar as caras: Jangada. O melhor processador de textos até o momento era o ÁgilStar. Neste campo de programação, os brasileiros estavam levando a melhor. Novos programas de e-mail: Carta e Recado.

Os blogs começaram a surgir, assim meio acanhados e os principais provedores de blogs eram: Valentepress, AsilBR. Todos os domínios passaram a ter números, ao invés de ponto com. O do Brasil era 666.

Os computadores estavam muito valorizados, porque a maioria foram abandonados e inutilizados. Senhor José, dono de grandes galpões de peças velhas de informática estava faturando bastante.

Foi aí que a China começou a vender aquelas porcarias bem baratinhas que todo mundo podia comprar. Os parentes de Bill Gates lançaram no mercado o Windows 3.0, limpinho, sem aquelas bobagens que pareciam árvore de natal, com presentinho dependurado por todo lado. Só processador de texto, mais nada. Pagava-se apenas uma pequena taxa de uso. O mercado reagiu, eles ficaram bilionários novamente.

As empresas fabricantes de anti-vírus, colocaram maliciosamente no meio, os seus vírus. O comércio eletrônico voltou a funcionar normalmente. Só o povo que estava um pouco atrasado com os assuntos da área.

O barateamento do CPU garantiu a aquisição de PC por muitas pessoas, o caminho seguido desde o ano de 2011 era o de simplificação.

Todos os programas eram “baixados” apenas para uso pessoal. Ninguém precisava mais comprar qualquer tipo de software. Estavam todos disponíveis na internet. Isto significa que os computadores eram usados apenas para a conexão. Ninguém precisava fazer dowload e nem comprar aquelas placas caríssimas.

Filmes? Vídeos? Fotos? Livros? Música? Estava tudo lá, bem guardadinho, como se você fosse procurar na locadora ou biblioteca.

A TV, o PC e o DVD finalmente estavam unidos num só aparelho.

Grandes espaços eram reservados na rede para os arquivos, cerca de 15 giga por pessoa física, para guardar o que quisesse, sem custo algum. Só as pessoas jurídicas pagavam um preço mensal.

Os Celulares começaram a gritar por todo canto e o petróleo do pré-sal, esquecido nas profundezas, voltou a jorrar e este país a funcionar. Funcionar?

“E tudo voltou como d’antes no castelo de Abrantes!”

Manoel Amaral

Leia mais Osvandir em: http://www.textolivre.com.br/component/comprofiler/userprofile/Manoel

Um comentário:

  1. Estou passando pra contar que fomos Top2 na categoria humor do Top Blog, obrigada a todos que votaram, em 2010 tem mais.
    As fotos do evento estão no blog
    bjssss e boa semana

    ResponderExcluir