terça-feira, 23 de junho de 2009

OSVANDIR E O METEORITO

BOLA DE FOGO NO CÉU
Foi só um pesadelo... que passou... que não volta mais...
enviei ele para infinito e trouxe para mim de volta...
o brilho das estrelas... o sonho da lua... o calor do sol...
(http://br.geocities.com)

Osvandir ouvia de seu tio, o relato da queda de um meteorito há muito tempo, na região central de Minas Gerais, próximo de Martinho Campos - MG.

Disse que o povo ficou muito assustado, parecia uma bola de fogo que caía do céu.

Cidades como Lagoa Dourada, Contagem, Belo Horizonte, Arcos, Araújos, São Gonçalo do Pará, Luz, Dores do Indaiá, Pitangui, Sete Lagoas, Pedro Leopoldo, Paraopeba e Martinho Campos deram notícia de tal fato.

De São Gonçalo muitas pessoas avistaram um grande “Z” no espaço e logo após um estrondo muito forte.

Anos depois o povo ficou sabendo que aquele clarão e estrondo fora provocado por um meteorito que recebera o nome de Ibitira.

Ele havia caído exatamente em 30 de junho de 1957, as 5:00 horas naquele local.

“Era um meteorito de cerca de 2,5 kg com uma camada exterior preto brilhante típica de alguns tipos de acondritos, embora a estrutura interna vesicular diferia de todos os meteoritos conhecidos até então.
O Ibitira é um meteorito único de extrema raridade. Quarenta anos após sua queda, foi vendido por uma pequena fortuna, pelo Centro de Estudos Astronômicos César Lattes .”

Osvandir acabou de ouvir do tio aquela interessante história quando ligou a TV, uma notícia em especial chamou-lhe a atenção:
Bola de fogo assusta população de Rondônia

A reportagem falava de uma bola de fogo que caira numa noite de quarta feira, às 19h, dia 10 de junho deste ano, avistada por moradores e indígenas do distrito de Surpresa, na Rondônia.

Osvandir preparou as malas, seguiu para Brasília e depois tomou rumo da região tendo como direção principal a Capital de Rondônia.

A duração do vôo entre Brasília e Porto Velho (2.589 Km ) é de aproximadamente 3 horas.

Descendo no aeroporto internacional de Porto Velho, seguiu de barco para o município de Guajará-Mirim que dista da capital cerca de 329 Km.

Colheu depoimento de alguns cidadãos em Guajará que indicavam a direção que o bólido tomou naquela noite. Uns diziam que viram uma “bola de fogo com cauda”. Outros ouviram um estrondo.

A população não estava nada satisfeita com uma reportagem do SBT e o site da Prefeitura até publicou uma nota: “A Prefeitura Municipal de Guajará-Mirim manifesta veementemente seu repúdio com relação à série de reportagens veiculadas pelo SBT e disponibilizadas amplamente nos portais de internet. Nem todas as informações apresentadas condizem com a realidade, já que Guajará-Mirim não está em total abandono, nem tampouco tem metade de sua população vivendo na miséria.”

A cidade enfrenta vários problemas de fronteira, como outras da região, mas recebe bem os turistas.

Para chegar, com muita dificuldade, até o distrito de Surpresa, na vasta região de Sagarana, Osvandir teve que utilizar vários meios. Região alagada, de difícil acesso, ainda com floresta muito densa.

O local da possível queda do meteorito só seria alcançado por um helicóptero ou pelas águas.

Contratou um experiente guia e seguiu floresta afora. Muitos quilômetros a pé, outros tantos de barco.

Encontraram uma tribo indígena que deu algumas informações mais próximas da realidade.

À noite, no acampamento, céu estrelado, de repente um clarão. Seria a mãe-do-ouro? Seria um novo meteorito? Osvandir e seus companheiros não ficaram sabendo.

Ouviram muitas histórias fantásticas e de muitas luzes na floresta e nas águas.

Na manhã seguinte pesquisaram vários locais, alguns até surpreendentes. Nada de rastro do meteorito.

Mediantes tantas informações contraditórias, voltou para Guajará-Mirim, com as anotações.

O que Osvandir pode constatar foi que este País é muito grande e descobrir uma pequena pedra, no Estado de Rondônia, em Guajará-Mirim, na fronteira com a Bolívia, seria uma coisa praticamente impossível.

MANOEL AMARAL

Para saber mais:
http://br.geocities.com/sady_mac/frases.htm (*)www.viafanzine.jor.br/ufovia

2 comentários:

  1. Oi Manoel, blz.
    Puxa, voc~e deu um drible em todo mundo, com este final. rssrsrsr
    Eu aqui esperando algo surpreendente, e Osvandir volta pra casa de mãos vazias. rsrsrsrsr

    Ficou legal, porque o final surpreendeu. Nem sempre o final pe feliz. Né. rsrsrsrsr
    Abraços e tudo de bom para vc

    ResponderExcluir
  2. Caro Thymberthy,

    De supreendente que encontrou foi só o contrabando de armas na fronteira.

    Manoel

    ResponderExcluir