quinta-feira, 28 de maio de 2009

OSVANDIR E OUTRAS HISTÓRIAS

SEXTA- FEIRA SANTA, GATO PRETO,
SEXTA-FEIRA 13 E O FIM DO MUNDO

"A superstição é a barreira dos tímidos,
o refúgio dos fracos e a religião dos covardes."
Tamires


Todos tinham medo de Sexta-feira da paixão. Era uma tristeza que começava na Quinta-feira depois do meio dia. Dava para ouvir o canto dos pássaros e o zumbir das abelhas.

A mula sem cabeça ficava marchando nas cabeças das crianças e nas de alguns adultos.

Passar debaixo de escada, ver gato preto na sua frente e sair de casa na Sexta-feira 13, era coisa de louco.

A superstição era muito cultivada na década de 50, e olha que não tinha TV.

Alguns pássaros também eram considerados agourentos: urubus, acauã, morcegos e corujas. Quando a acauã cantava próximo de uma casa era sinal de falecimento de alguém da família. O mês de agosto era o pior do ano.

As tragédias das Guianas, Tim Jones envenenou várias pessoas, aqueles lunáticos do cometa Houtek, nos EUA, tudo não passou de superstição, o mundo não acabou naquela época e nem vai acabar tão cedo.

Há uma semana os jornais, revistas, TVs e rádios anunciaram o FIM DO MUNDO para o dia 11-8-1999, Quarta-feira, e o pior que a Sexta-feira seguinte era 13, mês de agosto. Muito azar junto!
Mas passou a Quarta-feira, eclipse na Europa e Ásia e um sol de rachar mamonas no Brasil e nada mais aconteceu. Sexta-feira 13 chegou, sol lindo no horizonte. Nenhum sinal de FIM DO MUNDO, pelo contrário, um bom dia das 6:00 às 18:00 horas, pouco movimento nas ruas.
Final de semana, todos cidadãos (moradores na cidade) pegaram a estrada e foram para zona rural (hoje sítio).

Chegou dia 14 e o susto passou, o mundo não acabou, vamos esperar mais 1000 anos (3000), porque 2000 já era.

14-8-1999
MANOEL AMARAL
Fonte: Vide jornais diários da data.



DOR DE CABEÇA?
USE VERAMON!



Saíram do baile quase de manhã, uma dor de cabeça de rachar. Haviam tomado todas, inclusive doses de conhaque São João da Barra. As bebidas e as batidas da fábrica de bebidas Naná, de Divinópolis, enchiam a festa. A cerveja Brahma, rara, tinha como único distribuidor na região, um Sangonçalense, que vendia até para Divinópolis. O tradicional vinho Sabiá, mesmo falsificado, estava nas mesas. As mulheres de longos vestidos, quase todos de cor escura. Os homens de terno de casimira azul marinho ou preto, camisa branca e gravata fina. Corria os fins da década de 50. A alta sociedade estava lá, o baile foi ali na antiga casa do Geraldo Mourão, Rua Cel. Pedro Teixeira com Av. Divinópolis.

O barulho era grande pelo assoalho de grossas tábuas, a orquestra Cassino de Sevilla tocava tangos, boleros, mambos, valsas e as vezes arriscava um chá, chá, chá.

Os rapazes beberam muito, como disse, a Av. Divinópolis, ainda sem calçamento, ali nas proximidades da Rua São José, havia um enorme buraco e um poste de madeira, encurvado, carcomido pelo tempo, quase caindo. O primeiro rapaz não viu buraco nenhum, caiu. O outro tentou tirá-lo e também foi parar lá no fundo.

Foi uma dificuldade tirar dois bêbados daquela cratera.

Amanheceu, a dor de cabeça não tinha fim. Passaram numa farmácia para comprar bicarbonato e Veramon que era para dor de cabeça.

Quando subiam pela Av. Divinópolis resolveram dobrar a esquina da Rua São José para comprar cigarro, na venda da Praça Benjamim Constant, depois seguir pela Rua da Fábrica de Tecidos.

O comerciante avisou que só tinha Saratoga, o pior de todos, compraram assim mesmo.
Comeram uma lingüiça Maria Rosa, mesmo seca, engasgando, custou a descer.

A dor de cabeça foi indo embora e estômago melhorando. Mais três quilômetros pela frente, era Domingo, não tinha importância, podiam chegar tarde em casa.

Quando estavam chegando no portão da fazenda, um lembrou:
_ Puxa! Esquecemos as tintas Guarany que a mãe encomendou ...

MANOEL AMARAL

Nenhum comentário:

Postar um comentário