sábado, 1 de março de 2008

OSVANDIR E O UFO DE ITAÚNA

O UFO DE ITAÚNA
Foi em 2006, em Itaúna, quando estávamos no seminário sobre ufologia, um ufo apareceu para o Paulo Aníbal e o Rafael Amorim, bem no centro da cidade.

Era discóide, branco, não expelia fumaça e nem fazia barulho. Ia tranqüilo de Leste para Oeste, em linha reta, sem nenhuma alteração.

De posse de um possante binóculo Paulo Aníbal vasculhou o espaço a procura de mais detalhes e foi logo dizendo:
__ Ele está passando agora entre aqueles dois fios do poste, mas muito alto, agora foi coberto por uma nuvem. No momento aproxima-se da Serra mais alta da cidade.

Ia por aí descrevendo os mínimos detalhes do objeto voador que atravessava a cidade.
Fomo ouvir as palestras de Dra. Lígia, do Pepe Chaves, do Márcio Mendes e o ufo foi esquecido, mas Aníbal ficou lá...

Saltando para a data atual, vimos pela TV e Jornal Estado de Minas, que a Prefeitura de Belo Horizonte, acaba de aprovar Lei proibindo o uso de sacolas plásticas no Município.
Em Cuiabá já existe tal lei desde 2005, no Rio de Janeiro também, nos EUA, no Japão e alguns países da Europa já existe esta proibição há muito tempo.

A cidade de San Francisco, nos Estados Unidos, tornou-se a primeira metrópole americana a proibir o uso de sacolas de plástico em grandes supermercados e farmácias.

O plástico é elemento altamente poluidor do meio ambiente, estimando-se em décadas a sua decomposição.Acrescente-se a isto o fato de contribuir enormemente para o entupimento das galerias de água pluviais, provocando inundações e investindo negativamente contra o bem estar da população.

Em Belo Horizonte a notícia agradou ambientalistas, mas recebeu críticas de empresários e de pessoas mais conservadores, que desconfiam das políticas de esquerda da cidade.

As sacolas plásticas são difíceis de reciclar, poluem parques e rios e ocupam cada vez mais espaço em depósitos de lixo. Os plásticos entopem o sistema de esgoto das cidades e contribuído para um aumento em inundações.

Alguns se preocupam, no entanto, com a possibilidade de que os supermercados adotem sacolas de papel, que afetariam o meio ambiente de outra forma, já que mais árvores teriam de ser cortadas para atender à demanda.

O único recipiente “ecológico” disponível atualmente é a sacola de plástico oxibiodegradável. Ela é produzida da mesma forma que a tradicional, a partir de derivados do petróleo, mas contém um aditivo que acelera a deterioração. Em vez de se decompor em até 400 anos, leva de três a 18 meses para se esfarelar. A diferença é que o material se desintegra em milhares de pequenas partículas, em vez de continuar inerte. “Na prática, espalha-se com mais facilidade e pode contaminar rios e plantas”, afirma a gerente do Centro de Tecnologia de Embalagem do Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), órgão do governo paulista, Eloisa Garcia.
Secretário-executivo da organização não-governamental Compromisso Empresarial para a Reciclagem (Cempre), dedicada à promoção do reaproveitamento de resíduos, André Vilhena esclarece que o aditivo – uma espécie de catalisador – contém metais pesados, como chumbo e cadmio. “Por isso, esse tipo de sacola pode ser ainda mais tóxica”, diz, acrescentando que a solução mais adequada é estimular o consumo consciente das embalagens e aumentar o percentual reciclado no país.

A intenção é sinalizar para o comércio a necessidade de adotar embalagens que causem menos impacto à natureza.

Osvandir, lendo isto tudo lembrou dos velhos tempos de seus pais e tios em Goiás e disse:
__ Se a intenção é causar menos impacto à natureza que tal voltar a usar as sacolas de papel e de tecido? O plástico é terrível, aonde o homem ainda não chegou, ele já está lá!

Voltando a 2006, Paulo Aníbal, com toda sua sabedoria ufológica descobriu os segredos do Disco Voador:
__ Trata-se de uma sacola plástica inflada pelo vento. Só descobrimos porque ela caiu ali perto da linha de trem de ferro.

Manoel
= = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =
Temos o modelo do Projeto de Lei sobre proibição das sacolas plásticas, caso alguém se interesse pelo assunto, é só contatar-nos: manoel.amaral@gmail.com

Um comentário:

  1. Olá!
    Passei pra ler mais de seus textos e me divirto muito!
    São bem por dentro da nossa realidade, sem deixar de ter um gostoso bom humor.
    Umamaneira sadia e discreta de passar a verdade e a realidade.
    Estou sempre passando por aqui...
    Tá cada vez melhor!

    Sucesso pra vc sempre!

    ResponderExcluir